| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

REVISTA FORMAS & MEIOS
Desde: 03/02/2005      Publicadas: 754      Atualização: 31/10/2005

Capa |  ARTES PLÁSTICAS  |  ARTESANIA  |  ATUALIDADES  |  CARANGO  |  CHARGE  |  CINEMA ANTIGO  |  CLÁSSICA  |  CONTANDO HISTÓRIAS  |  CRÉDITOS  |  CULTURA  |  DEAD ROCK  |  DISCOS / SHOWS  |  EDITORIAL  |  EXPOSIÇÕES  |  F&M FEMININA  |  F&M WORLD  |  FILMES EM CARTAZ  |  FOTOTECA  |  GALERIA VISCONDE  |  GIGANTES DO JAZZ  |  IMPRENSA  |  LITERATURA  |  MAURÍCIO CARDIM  |  MPB  |  MUSEUS  |  PARCERIAS  |  PERSONALIDADES  |  PINTORES  |  PORTFÓLIO  |  PROJETOS  |  QUEM SOMOS  |  RÁDIO  |  REDAÇÃO  |  SAÚDE  |  SPcentro  |  TEATRO  |  TELEVISÃO  |  TENDÊNCIAS  |  TVZONA
MUSEUS

MUSEUS - Museu Republicano de Itu


MUSEUS - Museu Imperial de Petrópolis - RJ


MUSEUS - MUSEU BMW DE CURITIBA


O Museu BMW de Curitiba foi iniciado em 1975 com a aquisição do modelo R61. Nesta época o seu fundador João Carlos Ignaszewski ainda não imaginava que iria formar uma das maiores coleções particulares da América do Sul. A coleção é constituída por 23 motocicletas e 12 automóveis sendo que destes, 6 motos e 2 carros. O modelo mais antigo de motocicleta da coleção é uma R32 ano 1923 - o primeiro modelo de motocicleta fabricado pela BMW . O automóvel mais antigo da coleção é um modelo 315 de 1933. Todos os veículos no museu, encontram-se em estado impecável de restauração e funcionam perfeitamente.

História das Motocicletas BMW

A fábrica BMW-Bayerish Motoren Werke tem suas raízes em 1916 na fabricação de aviões, daí seu logotipo de uma hélice rodando com um fundo celeste. A performance das motos da marca pode ser resumida em baixa potência, bom torque em baixas rotações, robustez, durabilidade, maneabilidade, conforto e baixo nível de ruído. O resultado da durabilidade pode ser visto hoje, quando os exemplares desta marca, que eram raros na época, ainda estão rodando, enquanto outras marcas que eram abundantes na época são raramente vistas rodando nos dias de hoje. 1923: A R32, primeira motocicleta da marca, projetada pelo eng. Max Fritz, estréia nos salões de Paris e Berlim. Já apresenta as características básicas das futuras motos da marca: motor boxer de 2 cilindros e transmissão secundária por eixo cardã. O Museu tem um exemplar em processo de restauração.

MUSEUS - MUSEU DO EXPEDICIONÁRIO


MUSEUS - Museu Oscar Niemeyer


MUSEUS - IMPERIAL WAR MUSEUM - Londres


MUSEUS - Museu Victor Meirelles


está instalado na casa onde nasceu o artista, um sobrado tipicamente luso-brasileiro do final do século 18, construído na esquina das antigas Rua da Conceição e Rua da Pedreira - atuais Victor Meirelles e Saldanha Marinho, respectiva- mente. Construção inter-mediária entre o tradicional porta-e-janela e os sobrados requintados.

Horário de Visitação
De terça a sexta-feira, das 13 às 18 horas; sábados, domingos e feriados, das 15 às 18 horas.
Endereço
Rua Victor Meirelles, 59 centro
Telefone: (48) 222.0692
88010-440 Florianópolis SC

O ARTISTA

Victor Meirelles de Lima nasceu na antiga Desterro, em 18 de agosto de 1832. Filho de imigrantes portugueses, ainda na infância ocupava seu tempo desenhando bonecos e paisagens da ilha. A vocação artística precocemente revelada foi estimulada por seus pais, Maria da Conceição e Antônio Meirelles de Lima, e apoiada pelas autoridades oficiais da época. Aos 14 anos de idade recebeu bolsa de estudos para freqüentar a Academia Imperial de Belas Artes, no Rio de Janeiro; aos vinte anos, com a tela João Batista no Cárcere, conquistou o Prêmio Especial de Viagem à Europa. Viveu cerca de nove anos na França e na Itália, dedicando-se ao estudo e ao trabalho.
De volta ao Brasil, foi agraciado com o título de Cavaleiro da Ordem da Rosa e nomeado professor de pintura da Academia. Autor de quadros históricos, retratos, panoramas e da mais popular das telas brasileiras, A Primeira Missa no Brasil, de 1861 - reproduzida em cadernos escolares, selos, cédulas monetárias, livros de arte, catálogos e revista - Victor Meirelles deixou um extraordinário acervo, minuciosos esboços, estudos em papel e óleos sobre tela. O artista faleceu no Rio de Janeiro em 22 de fevereiro de 1903.

MUSEUS - MEMORIAL DO IMIGRANTE


MUSEUS - MCB- Referência no Mobiliário Brasileiro


Móveis, alfaias e objetos de decoração que retratam a vida e os costumes das famílias brasileiras dos últimos quatro séculos. O acervo do Museu da Casa Brasileira, de São Paulo, em seu variado painel que mostra e conta a história da evolução do móvel brasileiro, desde os portugueses até ao "art déco", passando pelo artesanato popular. Criado em 1970, só a partir de 1972 passau a ocupar o antigo Solar Prado, doado ao Governo do Estado pela família Prado-Crespi.
CASA DE NOBRES
Casa no estilo neoclássico, a construção é da década de 40 e localiza-se na moderna avenida Faria Lima, na região dos Jardins. Seu projeto é do arquiteto paraense Wladimir Alves de Souza, que reproduziu as linhas do Palácio Imperial de Petrópolis. Ela serviu de residência para o cafeicultor, engenheiro e ex-prefeito da cidade, Fábio da Silva Prado e de sua esposa Renata Crespi da Silva Prado. Nos seus melhores tempos, já abrigando magnífica coleção de móveis e obras de arte, o Solar hospedou, entre outras personalidades, o príncipe Ali Kahn e a rainha Elisabeth II e o príncipe Phillip. Vinculado à Secretaria Estadual da Cultura, o Museu da Casa Brasileira foi criado com o objetivo de classificar, catalogar, expor, conservar e restaurar móveis, alfaias e objetos de arte de valor histórico, artístico e sociológico. Hoje ele funciona como um centro de pesquisas e publicações sobre a casa e os costumes brasileiros e espaço de promoção e valorização do design e da arquitetura. Sua biblioteca especializada reúne 3.000 títulos sobre mobiliário, design, arquitetura e história.
CURIOSIDADES
Entre as curiosidades do acervo Crespi-Prado está um faqueiro, de prata francesa 950, em vermeil (dourada), que pertenceu a Maria Domitila de Castro Canto e Mello, a Marquesa de Santos, e teria sido presente de D. Pedro I. O faqueiro, para 95 pessoas, conserva a sua caixa original e todas as peças têm gravadas o monograma "MS".
O Museu mostra um resumo da história da evolução e das transformações estéticas por que passou o mobiliário no período que vai do século XVII - de caracterização do estilo luso-brasileiro até o final das duas primeiras décadas do século XX, época da introdução do móvel moderno no Brasil. São cadeiras, camas de bilros, sofás, armários, guarda-roupas, mesas, penteadeiras, oratórios, espreguiçadeiras e castiçais, faqueiros e até um almofariz (pilão).Também encontram-se pinturas e esculturas do acervo da Fundação Crespi -Prado, cujas peças encontram-se expostas no Museu.

[ Francisco Martins]






Capa |  ARTES PLÁSTICAS  |  ARTESANIA  |  ATUALIDADES  |  CARANGO  |  CHARGE  |  CINEMA ANTIGO  |  CLÁSSICA  |  CONTANDO HISTÓRIAS  |  CRÉDITOS  |  CULTURA  |  DEAD ROCK  |  DISCOS / SHOWS  |  EDITORIAL  |  EXPOSIÇÕES  |  F&M FEMININA  |  F&M WORLD  |  FILMES EM CARTAZ  |  FOTOTECA  |  GALERIA VISCONDE  |  GIGANTES DO JAZZ  |  IMPRENSA  |  LITERATURA  |  MAURÍCIO CARDIM  |  MPB  |  MUSEUS  |  PARCERIAS  |  PERSONALIDADES  |  PINTORES  |  PORTFÓLIO  |  PROJETOS  |  QUEM SOMOS  |  RÁDIO  |  REDAÇÃO  |  SAÚDE  |  SPcentro  |  TEATRO  |  TELEVISÃO  |  TENDÊNCIAS  |  TVZONA
Busca em

  
754 Notícias